Ed, Led e LP

Para entender um pouco mais da musicalidade visceral do Ed Motta, uma boa dica é ler na revista VIP de setembro, como ele conta sua história com o grupo inglês Led Zeppelin que começou quando ouviu pela primeira vez Physical Graffiti, sexto disco da banda, de 1975.
Ele tinha 12 anos e como não havia edição nacional do LP, resolveu trocar os discos que possuía do AC/DC pelo Physical, que se tornou seu predileto e o fez entrar de vez para o fã-clube oficial carioca do Led Zeppelin. Daí em diante, passou a consumir tudo da banda. Atualmente, tem toda sua discografia nas versões brasileiras, americanas, inglesas e japonesas e o Physical em mais versões ainda. O seu fascínio pelo LP veio do gosto pelo esquisito, o som estranho, a gravação meio abafada e a falta de requinte. O Led acabou levando-o para o blues. A entrevista completa com Ed Motta e detalhes de seu novo álbum estão na revista VIP de setembro. Leitura agradável.

3 comentários:

Raquel disse...

Adoro Ed Motta. Sua voz é suave e, ao mesmo tempo, grave, profunda.

Marcos Santuario disse...

Bom gosto... ele é um dos melhores e mais completos artistas da cena brasileira... ao conversar com ele a gente percebe a inteligência, bom gosto, cultura, sensibilidade e que o cara conhece de comida e vinhos também...ahahah

Bruna disse...

Gosto muito de vozes como a dele...
é um prazer ler um pouco de sua história...

:D

Abraçoo