Gaza é aqui

Depois de perguntar sobre o Ano Novo, agora o blog pergunta o que você pensa sobre a situação na Faixa de Gaza... a ideia é saber o quanto a gente está ligado naquela parte do mundo e nas questões que o conflito envolve... vai ao lado e dá uma votadinha! Quer saber um pouco mais sobre o assunto... clica e vai http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u485566.shtml

1 comentários:

Luiza disse...

A SOLUÇÃO DE GAZA ESTÁ NAS MÃOS DOS PALESTINOS
Depois de Israel lançar sua ofensiva militar contra Hamas, em instalações militares em Gaza, em resposta aos repetidos ataques a civis israelenses, as ruas árabes não perderam tempo e demonstraram com paixão sua oposição a Israel. Na Europa, muitos ocidentais também tomaram parte no protesto.

Como um muçulmano egípcio, agora vivendo nos Estados Unidos, eu me pergunto porque a rua árabe e seus apoiadores no Ocidente nunca mostram igualmente forte resposta contra terroristas islâmicos que alvejam civis inocentes mundo afora, explodem mercados inteiros, com civis de origem predominantemente muçulmana no Iraque, Paquistão, Sudão, Turquia, etc. Considerando-se que os ataques israelenses mataram cerca de 400 pessoas, maioria militante do Hamas, nos primeiros quatro dias, a atitude passiva do mundo muçulmano contra os terroristas representa extrema hipocrisia. Se eles realmente se importassem com vidas muçulmanas, deveriam ter demonstrado isso nos mesmos números e com igual veemência contra os islamistas que assassinaram centenas de milhares de seus concidadãos muçulmanos, para não mencionar o Hamas que abate membros do rival Fatah - mulheres e crianças incluídos.

Outra questão é: por que não vimos uma semelhante forte reação contra os terroristas que praticaram o mais recente atentado em Mumbai? Muitos indianos, ocidentais e judeus foram mortos. Mas não houve erupção espontânea e demonstrações de indignação na Europa, para denunciar os ataques, como no caso de Gaza. São essas vidas menos importantes que as dos palestinos? Onde está a o furor público organizado contra a matança lasciva de indianos e judeus?

Assistimos à queima de igrejas no Iraque, nas mãos dos jihadistas. Sabemos também que milhares de cristãos iraquianos fugiram porque os islamistas impõem sobre eles a tradicional Shari'a,. A escolha para os não-muçulmanos: converter-se ao Islã, ou pagar um imposto humilhante (jizzia), ou serem mortos. No entanto, não ouvimos qualquer coisa a partir das ruas árabes ou de seus apoiantes. Só o silêncio petrificante. As vidas palestinas valem mais do que as dos cristãos no Iraque?

Uma mentalidade tribal ainda governa o mundo muçulmano e não há qualquer vontade de demonstrar-se contra concidadãos muçulmanos, mesmo contra aqueles que tenham cometido grandes crimes contra outros muçulmanos. E a Europa é demasiado eviscerada para vir ao auxílio de vítimas cristãs dos "anti-infiéis".

Depois, há o velho anti-semitismo. É tão fácil demonstrar-se contra os judeus ou Israel e extremamente raro ver demonstrações de apoio às vítimas judaicas - vítimas como o rabino Gabriel e sua esposa Rivka, que foram selecionados para a uma tortura especial em Mumbai, pelos islamistas. Ele faz o "impulso" europeu de boa consciência apontar um dedo contra a suposta "agressão" de Israel para ajudar a minorar algumas das suas próprias culpas remanescentes .

O mundo muçulmano e os europeus que apóiam as manifestações contra Israel deveriam parar a tendenciosa reação, a qual cega e reflexamente apoia o Hamas e criminaliza Israel. Aqueles que se mostram contra a campanha militar em Gaza devem perceber que, se o Hamas tivesse parado de atacar Israel com seus foguetes, Israel não teria lançado o seu ataque. Se o palestinos tivessem se focado na construção de sua sociedade e não em destruir a sociedade dos outros, toda a região iria desfrutar da paz e prosperar. Se esses grupos palestinos reconhecessem o direito de Israel a existir, caso finalizassem o terrorismo contra os judeus e nutrissem um sincero desejo de viver em paz, eles terminariam o seu sofrimento. A solução agora está simplesmente na mãos dos palestinos - não na dos israelenses.

TAWFIK HAMID
Escritor e médico, é muçulmano e autor de "Inside Jihad."