El moro judio


De Beatles a Leonardo Cohen, passando por suas maravilhosas poesias, o uruguaio Jorge Drexler deixou ora mudo e ora convulsionado o público que lotou o Teatro do Bourbon Shopping na noite deste domingo, em sessão extra de um show cuja oficial acontece nesta segunda. Lotada a platéia e inspirado o artista, que saiu do pampa uruguaio para conquistar o mundo da arte, a celebração foi poética e musical. Profundo sem ser piegas... atual sem ser superficial... Drexler diz como poucos hoje as coisas simples que permeiam a vida de cada um... em portunhol ele fala e se faz entender... canta em espanhol, italiano e inglês, como uma só de suas características globais... entende as almas, os corpos e as mentes... a história transita em seus versos e a simplicidade de seus conceitos desafia a filosofia pomposa dos pensadores que se vestem de preto... com a prepotência de iluminar o mundo... hipocrisia e falsidade... No mundo musical e poético de Drexler sobra vida e explode a mística do real... Quem não viu... perdeu... aí resta CD, DVD e outra vinda do cara que já ganhou Oscar e já calou platéias inteiras.... vestidas para matar!

5 comentários:

Taci disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Taci disse...

Simplesmente maravilhoso, visceralmente global, profundamente sentimental.
Um eco polifônico aprimorado por sons de serrotes, taças de vinhos, sons de aeroporto e de campanhias de bicicletas catalãs, com o profissionalismo de Barcelona e da Patagônia.
Meu pai sempre me disse que nasci no norte do Uruguai, e ontem me senti totalmente em casa com a latinidade de Jorge, que permea pelo imaginário de muitas cidades e chama ao palco Vitor Ramil, entre algumas músicas ficou profundamente marcado - Astronalta Lírico. E quem não conhece vale a pena escutar e sentir Jorge Drexler, pois nada se perde - tudo se transforma, e aposto que depois de escutar vai transforma teus sentimentos, teus pensamentos e teu imaginário.

Rodrigo Tex disse...

Bah...que show...
O cara é um gênio. A mistura de ritmos e de tecnologias é a lei de Lavoisier pura de Drexler.

Nada se pierde...todo se transforma...

Juliane Soska disse...

Prefiro o ancião de 44 anos que fala ao coração dos jovens como eu, Humberto Gessinger. Agora só de Porto Alegre e não mais do Hawaii.
Amanhã o teatro do Bourbon é dele, do Duca e meu... é nosso!

Taci disse...

Mazáhhhh o cara está cada dia melhor...na poesia, na personalidade e na tocante sensibilidade... Quem ainda não escutou está perdendo tempo...dá para ter uma palhinha pelo site: http://www.jorgedrexler.com/